25.7.14

Mais logo, na RTP 2

O concerto/homenagem a Elisabete Matos, que teve lugar no passado sábado no Festival ao Largo, vai ser transmitido hoje na RTP 2, às 23:06, após um documentário sobre a cantora.

No concerto da véspera, que quase chegou a não acontecer devido a uma chuvinha que, quando viu que ninguém arredava pé, decidiu desistir, foi assim:


20.7.14

Diecimila anni alla nostra Elisabete

Quem foi ao Largo pôde assistir a um concerto que foi uma homenagem a Elisabete Matos verdadeiramente extraordinária. Felizmente, Jorge Rodrigues avisou-nos logo no início que devíamos apertar os cintos de segurança. Após a abertura de La Forza del Destino, o voo começou com o Te Deum de Tosca por Sergei Leiferkus. Contou-nos Jorge Rodrigues que, quando ele foi convidado a participar no concerto, respondeu: "Elisabete Matos? Of course, I love her". Ouvir este grande senhor no Largo de São Carlos foi um privilégio enorme. E seguiu-se um longo excerto do II acto de Tosca. A Matos e Leiferkus juntaram-se Paulo Ferreira, Marco Alves dos Santos e Manuel Rebelo. Mais um privilégio: ouvir Paulo Ferreira finalmente em Lisboa; ele, que tem feito carreira essencialmente em teatros alemães e austríacos. Todo o drama de Tosca esteve ali: a perfídia de Scarpia, a dor do torturado Cavaradossi, o desespero de Floria Tosca, que nos deu um Vissi d'arte de ir às lágrimas.

(Do FB de Elisabete Matos)

Pequena pausa para acalmarmos os ânimos, com o intermezzo de Manon Lescaut, e passámos para Turandot, a última ópera de Puccini. Dora Rodrigues interpretou a célebre ária de Liù, Tu che di gel sei cinta, e Elisabete Matos voltou ao palco para cantar o que é um dos papéis mais extraordinários da História da Ópera e que parece ter sido escrito e composto a pensar nela e na sua voz. No concerto de sábado, Elisabete fez o que parecia impossível: superou-se a si própria, e à actuação da véspera, e a sua Turandot foi ainda mais... (agora escolham o adjectivo, porque eu já não tenho). Vejam na RTP 2, na próxima sexta-feira, 25 de Julho. Destacar momentos altos da sua Turandot é difícil, porque são todos. In questa reggia é de antologia, a cena dos enigmas também, frases como Percuotete quei vili! enchem-nos de pânico.
Mais uma vez, convém notar que Elisabete Matos esteve belissimamente acompanhada pelo Calaf de Paulo Ferreira, pela Liù de Dora Rodrigues, pelo Altum de Marco Alves dos Santos, pela Orquestra Sinfónica Portuguesa, pelo Coro do Teatro Nacional de São Carlos, pelo Coro Juvenil de Lisboa e pelo maestro John Neschling. Bravi tutti! Com um elenco destes, muitas ópera poderiam ser feitas em São Carlos. Se me deixassem mandar...

Final do concerto de sexta-feira (foto de A. Nunes)

16.7.14

A Matos por cá

Ainda mal refeito das sensações do recital soberbo de Elisabete Matos, Sergei Leiferkus e Artur Pizarro no Palácio de Queluz, a encerrar o Festival de Sintra no passado dia 11. Foi uma noite de canções de Rachmaninov e Tchaikovsky cantadas e tocadas a preceito, um serão de canto e piano inesquecível para quem lá esteve. Espero que Elisabete e Artur se juntem novamente e com frequência; fazem uma dupla excelente e o entendimento entre a cantora e o pianista é notável. Bravi tutti!

Durante os ensaios, no Salão Nobre do Teatro de São Carlos (a foto possível)

E eis que se aproxima um dos grandes acontecimentos do Festival ao Largo deste ano. Nos dias 18 e 19 (sexta-feira e sábado), quem manda é Puccini. Trata-se de uma homenagem a Elisabete Matos, com o coro do TNSC e a Orquestra Sinfónica Portuguesa sob a direcção de John Neschling. Tosca e Turandot respondem à chamada e com Elisabete estarão Sergei Leiferkus, Dora Rodrigues, Paulo Ferreira, Marco Alves dos Santos e Manuel Rebelo. Naturalmente, a não perder.

Elisabete Matos (Tosca) e Sergei Leiferkus (Scarpia) em Santiago do Chile

5.7.14

Irene Linda

Ontem à noite Irene Lima tocou Don Quixote, de Richard Strauss, com a OSP no Festival ao Largo. Violoncelista de alto calibre, como é sabido, é pena não a vermos mais vezes como solista. Se não foi, não perca logo às 21h30. Ela repete.

E o valkirio hoje tem direito ao seu momento "Caras", porque Irene Lima estava linda, com o vestido que Pilar del Rio usou em Estocolmo na cerimónia de entrega do Nobel a Saramago. Foi também esse mesmo vestido que Irene usou, a pedido de Pilar del Rio, quando tocou Bach na cerimónia fúnebre de José Saramago que teve lugar na Câmara Municipal de Lisboa.

Em O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Maria Madalena diz "Olharei a tua sombra se não quiseres que te olhe a ti", ao que Jesus responde "Quero estar onde a minha sombra estiver, se lá é que estiverem os teus olhos". São estas as palavras bordadas na base do vestido.

2.7.14

Dia de Sophia



Hoje, o Público mostra-nos o manuscrito. Esta é a madrugada que eu esperava.