26.3.08

"Erva-dos-rapazes"


Chamo-lhe eu assim. É uma Orchis italica, a que os alemães chamam italienisches Knabenkraut, compondo a palavra a partir de Kraut (erva) e de Knaben (rapazes). De facto, o nome Orchis (testículos, em grego) deriva da comparação de algumas raízes tuberosas de orquídeas com os testículos humanos.

Mas quando olho para a inflorescência desta orquídea, vejo coros de rapazinhos entoando hinos e saudando a Primavera nas suas brincadeiras.



(KingsGroupPlace)

"A Ceremony of Carols" é um conjunto de cânticos compostos por Benjamin Britten a partir de pequenos poemas medievais, em Março de 1942, durante a viagem de regresso dos Estados Unidos para a Inglaterra. Apesar da temática natalícia deste cântico, a atmosfera musical antevê a Primavera britânica.
Balulalow

O my deare hert, young Jesu sweit,
Prepare thy creddil in my spreit,
And I sall rock thee to my hert,
And never mair from thee depart.

But I sall praise thee evermoir
With sanges sweit unto thy gloir;
The knees of my hert sall I bow,
And sing that richt Balulalow


(RyanGolddRedux)

16 comentários:

  1. Estava tão interessada no início do texto a conhecer mais uma nova orquídea, a dos rapazes quando entrei no video que foi como a cereja no bolo. Muito bonito, Paulo!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Nunca tinha visto uma orquídea assim. É opulentamente bela e o nome alemão tem muito mais piada. Além disso, não imaginava que Orchis tivesse a origem que tem. Aprendi muito aqui. A ideia do coro e o vídeo a coroar o post está genial.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Há quem lhe chame a flor dos "enforcados", pois parece que estão pendurados pela cabeça!
    Não conhecia estas de cor violeta.... :)
    Vou ver o vídeo! :)

    ResponderEliminar
  4. Tenho uma predilecção por esta orquídea e também gosto do nome alemão, mais simpático que um que encontrei em inglês: "naked man orchid".

    Sinceramente, Ezequiel! "Enforcados"!? Pobres rapazes. Isso é uma maldade. Não estavam afinadinhos? É por isso?

    Quanto à música, acho este cântico tão bonito que não resisti a colocar a versão do outro rapazinho, que penso que deixaria o próprio Britten extasiado.

    ResponderEliminar
  5. Esta inflorescência representa fielmente o mundo latino, onde só os homens decidem e ordenam. O resultado é um androceu mafioso, recheado de gestores do planeta de cabeça sempre ocupada para não sentirem medo. Elas, pelo contrário, lêem, passeiam, conversam, vão a concertos e ao teatro, descobrem o céu, moram na Lua - e assim está bem.

    ResponderEliminar
  6. Esses gregos, esses gregos... ;)

    ResponderEliminar
  7. Esclareça-nos, sábio Paulo: a tradução de Knabenkraut é orquídea, e a alusão aos rapazes tem a mesma origem grega da palavra orchis, ou este nome alemão é só para a Orchis italica com os seus meninos pendurados pela cabeça?

    ResponderEliminar
  8. Hola, Paulo, muchas gracias por visitar y dejar tu comentario en mi blog.
    Son preciosas las flores que publicas ¿donde las encuentras? Creo que Portugal es un pais muy bonito, me gustaría visitarlo.
    Mi nombre es Rosa (verdadero) y soy algo mayor que tú.
    Hasta pronto, saludos!

    ResponderEliminar
  9. Maria, se eu quisesse entrar numa guerra de sexos consigo, diria que uma grande parte das obras que elas lêem, a que assistem nos teatros e nos concertos ou apreciam nos museus foram concebidas por homens desse mundo latino. Homens que descobriram o céu para no-lo oferecerem. Mas não o vou dizer, para que não se aborreça comigo.

    E agora fala o sábio: a palavra Knabenkraut refere-se ao género Orchis, daí italienisches Knabenkraut. A Orchis simia chama-se Affen-Knabenkraut (Affen=macacos) e assim por diante. Para a palavra "orquídea" eles têm também a correspondente Orchidee.

    ResponderEliminar
  10. Rato do Campo, as coisas que os gregos já sabiam!

    ResponderEliminar
  11. Rosa, as flores aparecem pelos campos. Estamos no início da Primavera e elas gostam de se fazer notar. Acho uma belíssima ideia visitar Portugal.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  12. Caro Paulo: Uma das conquistas dessa guerra dos sexos de que fala é precisamente a de eu me poder aborrecer consigo, ou com qualquer homem. Permita-me ainda que o esclareça sobre um detalhe de lógica: a afirmação «no mundo latino, onde só os homens decidem e ordenam» não exclui a possibilidade de, no conjunto de todos os homens, existirem outros que não se limitam a exercer o poder. Sobre esses, alguns autores de maravilhas, eu nada disse; não precisava, portanto, de os defender.

    ResponderEliminar
  13. Ups! Eu disse que não ia dizer... Agora temos guerra aberta.

    Vamos por partes:

    1 - O que uma pobre orquídea pode sugerir: enforcados, exercício de poder ou meninos a cantar. Mais ideias?

    2 - O artigo definido "os" define totalidade, ao contrário da indefinição de "uns" ou "alguns". A afirmação «no mundo latino onde só os homens decidem e ordenam» pode indicar que todos os homens (não alguns) exercem o poder (em casa, como na política, na economia, etc.), enquanto as mulheres (elas, logo todas, e não elas e os homens que sobram) se dedicam a actividades recreativas ou intelectuais.

    3 - Fica aqui por contar o papel que muitas mulheres tiveram e têm no exercício de poder no mundo latino. Algumas também poderiam encaixar a cabeça na orquídea e ficar penduradas.

    ResponderEliminar
  14. Paulo: Desculpe os meus comentários acima que, certamente por incúria minha, como diz, lhe suscitaram uma leitura tão errónea e conflituosa. E, lamento, terá de guerrear, e vencer, sozinho; eu prefiro sair para tempos menos hostis.

    ResponderEliminar
  15. Como guerras também não são do meu agrado, olhe para mim: estou a acenar com um lenço branco.

    ResponderEliminar
  16. Aprende-se tanto por aqui...Que bom.

    ResponderEliminar