19.12.07

Fraude

E se esta época de festas fosse como uma dor de cabeça ou de dentes? Tomamos um comprimido, dormitamos um pouco e, quando acordamos, já passou. Por mim, adormecia agora e acordava lá para Janeiro, quando os dias começam a crescer. Escapava a esta azáfama, que não se pode ir à Baixa, o Chiado está num rebuliço e o trânsito é o inferno.

O Pai Natal também anda por aí numa estafa, trepando pelas paredes, carregado de presentes para os meninos e para as meninas. Antes de ele ter nascido, era o menino Jesus, em pessoa, quem na madrugada do dia 25 de Dezembro descia sorrateiramente pela chaminé. Mesmo levantando-me da cama várias vezes durante a noite para ir espreitar, nunca o consegui ver.


17 comentários:

  1. Pois é, Paulo, parece que o Menino Jesus não chegava para as encomendas e contratou o Pai Natal.

    Este, por seu lado, aproveitou as novas tecnologias para se clonar, e agora andam aí centenas de Pais Natal um bocado baralhados, uns a descer chaminés, outros a subir paredes.

    Os comerciantes agradecem: deve ser a única época do ano em que têm realmente lucros.

    Quanto a fugir ao Natal - houve um ano em que fui para Cuba. Aí não dei por ele. E fiz a passagem de ano no avião de regresso, com um espumante rasca qualquer.

    ResponderEliminar
  2. É incrivel o qto o Natal se tranformou numa época de consumismo desenfreado.Podera eu e lá ia para um ermo qq onde n se ouvissem "gingle bells", não se vissem bolas gigantes penduradas dos tectos nem senhoras carregadas de sacos. Adormecer e só acordar lá para Janeiro tb não era mal pensado

    ResponderEliminar
  3. Paulo, qué razón tienes... si no fuera porque tengo vacaciones, no querría que fuera navidad... De hecho, y aunque tengo niños, voy atrasando cada vez más sacar los adornos (al tiempo que las tiendas adelantan: este año, el 1 de Noviembre ya había luces y árboles en muchas de ellas). Un saludo, y que pase cuanto antes.

    ResponderEliminar
  4. E se só acordasse em Janeiro teria ainda outra vantagem: dispensaria a semana entre o Natal e o Ano Novo, que só existe para se trocarem os presentes de Natal nas lojas. Depois dos excessos gastronómicos a 24 e 25 (e 26 para os mais nostálgicos), vêm as retrospectivas, os 100 melhores disto e daquilo, os balanços, as bruxas,... Enfim, uma semana sem assunto, a não ser que aconteça uma catástrofe algures no mundo, que escolhe justamente esta semana inútil para nos arruinar o ano. Por cautela, é melhor cancelá-la de vez.

    ResponderEliminar
  5. Olha, Paulo, não sei que te diga. Fico muito dividida nesta época. Acho que é um momento em que presto alguma homenagem aos meus "desaparecidos", que outrora estavam presentes à nossa mesa, quer no Natal, quer na passagem de ano. Por outro lado, também me cansa esta loucura e pouco participo nela, não fora ter mais umas luzinhas a brilhar aqui por casa e uns enfeites e tal. E sempre ponho uns motetes no prato do gira-cds. Enfim, estou muito dividida.

    ResponderEliminar
  6. Concordo contigo em absoluto nessa ideia do medicamento que nos fizesse passar por esta época sem darmos por nada... Abraço!

    ResponderEliminar
  7. Como não há unanimidade, não podemos abolir as festas. Temos de passar o Natal e a semana que se sucede e fazer dieta em Janeiro.

    Assim seja. Com ou sem motetes.

    ResponderEliminar
  8. Gosto muito de oferecer presentes às pessoas de quem gosto... mas é um verdadeiro suicidio ir a qualquer centro comercial nesta altura do ano... que falta de paciência... felizmente, ontem terminei as compras :-)

    O melhor da época é mesmo estar em casa com as pessoas que mais amamos. Bom Natal!

    Moura Aveirense

    ResponderEliminar
  9. Não me arranjas dois comprimidos? Um para já e outro para a Passagem de Ano?
    :)

    ResponderEliminar
  10. Ez, estou à espera que alguém deixe aqui uma receita para ir a correr à farmácia.

    ResponderEliminar
  11. Paulo, o tempo passa e a gente percebe cada vez mais que estas manifestações externas são às vezes excessivas, não é? Estou me sentindo assim também!
    Se quiser mesmo dormir melhor colo impossível que o dele, e acho que 'ele' não desce mesmo pela chaminé, mas espero que esteja cada vez mais no seu coração e iluminando o seu caminho! E ainda, é dia de fazer pedidos de deixar a 'sua criança' ser feliz, e que ela tome conta de você!
    Um Feliz Natal e um ótimo 2008! E afinal o que são motetes?

    ResponderEliminar
  12. Obrigado, Lúcia. Feliz Natal para todos.

    Motetes são pequenas obras sacras compostas para várias vozes, principalmente nos períodos renascentista e barroco.

    ResponderEliminar
  13. Não olhem para mim, não tenho receita que nos sirva!... Há umas plantinhas que, em infusão, induzem um sono tranquilo, mas nada está garantido quanto aos sonhos. Um descuido com a dosagem, e sonhamos com o... Natal!

    ResponderEliminar
  14. E se todos desejarem as melhoras, as dores de cabeça passarão mais facilmente? :)

    É que eu vinha desejar boas festas, como manda a tradição. Gosto de desejar boas festas. Apesar de tudo o natal ainda me lembra as rabanadas das minhas avós e os tocos de lenha acesos nas lareiras, apesar de já não ser nada disso.

    Valha-nos Bach. E as crianças pequenas vestidas de meninos jesus e anjinhos a olharem para nós com ar aparvalhado.

    Bom natal, seja lá como for!

    ResponderEliminar
  15. Obrigado, Jardineira. Feliz Natal para ti também.

    A dor de cabeça vai passar. Como não apareceu nenhuma receita de mezinha satisfatória, são só mais uns dias.

    ResponderEliminar
  16. Ninguém tem idade para saber que o Natal e as ditas festas são o que nós quisermos fazer delas? Até podem não existir! Basta não entrarmos por aí!
    Claro, ninguém é uma ilha, mas basta pensar no Bach e na sua música para perceber que sempre houve, há e vai continuar a haver gente diferente e portanto muitos natais!

    ResponderEliminar
  17. Susana, ainda bem que há Natal, para os que gostam dele o poderem comemorar. E o que seria da música se não houvesse Natal e Páscoa? Não haveria paixões de Bach, nem Messias de Handel... A música seria definitivamente mais pobre.

    ResponderEliminar