23.4.09

O restauro de Seteais

SINTRA, ACERCA DE é um blogue que fala, naturalmente, de Sintra e é escrito por alguém que ama a vila, a serra e, calculo eu, o nevoeiro que por lá costuma pairar. Sem ele, Sintra não seria o que é.

Entre outras denúncias de maus tratos a árvores, o SINTRA, ACERCA DE acaba de nos mostrar a nudez dos muros de Seteais após as obras de restauro há muito merecidas. Consta que o interior está esplêndido - a Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva encarregou-se de grande parte da empreitada (várias peças de mobiliário foram levadas para as oficinas da fundação e foram também os seus técnicos que supervisionaram ou executaram o restauro das pinturas murais).

Mas seria necessário arrancar as glicínias?

15 comentários:

  1. As flores sujam o chão todo, é uma chatisse. E as folhas no Outono também ;)

    Estou a brincar, não conseguiriam pintar o muro se não a tirassem. Podemos é questionar se o muro necessitava mesmo de pintura.

    Mas há tempos elogiava o dono de uma magnífica pérgola de glicínias dobradas, lindíssimas, como nunca tinha visto, e o desgostoso dono, em resposta mostrou-me um balde de flores velhas e lamentou-se "não imagina a sujidade que isto faz, tenho que andar sempre a varrer"
    ...

    ResponderEliminar
  2. A quantidade de posts que tenho lido por todo o lado sobre a poda de árvores pelos serviços camarários é impressionante! Acontece que tenho uma tília mesmo em frente de casa (lembras-te?) que acabou de levar o mesmo tratamento. Mas porquê esta razia absurda??

    ResponderEliminar
  3. Jardineira,
    Sabes que não há que chegue ao asseio e os portugueses são muito ciosos dele.

    Mad,
    Então não havia de me lembrar?
    As nossas Parvónias, a sur-Tejo e a de-Cima, são geridas pela mesma Câmara Municipal, como bem sabes. Vai tílias, vai choupos, vai plátanos e salgueiros-chorões, vai tudo a eito. E as oliveirinhas das rotundas? Uma beleza.

    ResponderEliminar
  4. Que frio!

    São colorido, beleza...
    Um toque de... magia, de graça, essas que ainda não sabemos (acho eu!) reproduzir em tubos de ensaio, de... história - há quanto tempo não animariam os muros do belo palácio?

    ResponderEliminar
  5. Realmente a parede estava suja, mas as flores disfarçavam bem...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Já sabia porque o P Pi já me tinha avisado, mas ver a foto com o antes e depois choca.É que Sintra não é para estar limpinha e higienizada, mas sim com musgo, líquens e trepadeiras a derramaraem-se nos muros.Se os senhores da hotelaria não percebem isso ...é pena, porque isso é uma mais valia para a paisagem, logo para o turismo.

    ResponderEliminar
  7. Ao menos não podam a araucária e a palmeira (classificadas, sabias?) que eram da minha tia - por enquanto.

    Isso foi crime e devia ser punido. Não acredito que ninguém tenha visto, foi coisa que demorou tempo a fazer, mesmo no meio da rua. Como punição, sugiro a mesma injecção de ácido pelo... enfim, you know what I mean e isto é um blog sério.

    ResponderEliminar
  8. A higienização está a tomar conta de tudo e já nem os musgos de Sintra escapam.

    ResponderEliminar
  9. Diogo (penso que és quem eu estou a pensar),
    Já uma vez me disseram, embora noutras circunstâncias, que este é um blogue sério. Eu bem quero que ele se divirta mas ele nem sempre está para aí virado.
    Um dia destes hás-de falar-me dessas árvores.

    ResponderEliminar
  10. Ciosos da limpeza? Ciosos da feieza...
    O que demora anos e anos a ser muro e glicínia - não seria isso que o faria derrubar... Mas quem são os que vão para Seteais? Os amantes de glicínias?
    Duvido.
    Bj

    ResponderEliminar
  11. Mas há pessoas (ouvi outro dia num jantar) que acham isto muito natural.
    Então como pintar o muro?
    Já conjugaram o verbo "afastar" dedicado às plantas trepadeiras?

    ResponderEliminar
  12. Essas pessoas gostam de tudo muito branquinho e luzidio e estão-se nas tintas para as glicínias. Nem devem conhecer o aroma delas.

    ResponderEliminar