15.5.09

Afinal os jardins de Queluz ficaram encerrados ao público durante cerca de dois anos para quê?

Estava prometida a recuperação dos jardins do Palácio de Queluz e eles hoje reabrem ao público. Mas a julgar por este artigo, do qual transcrevo alguns excertos, e pelo que já se vislumbrava, a diferença entre o que estava e o que está não justificará dois anos de encerramento nem a campanha que propagandeava o restauro dos sistemas hidráulicos e de rega concebidos por Manuel da Maia no séc. XVIII.

Uma parte, ainda que diminuta, dos 16 hectares dos jardins foi limpa, alguns lagos e algumas estátuas de pedra e chumbo foram recuperados. Algumas árvores e umas quantas flores foram plantadas, nas áreas mais nobres, e a água corre, embora timidamente e sem pressão nas poucas fontes a que voltou a chegar. A cascata grande foi pintada e regressou à vida, as sebes de buxo foram talhadas nos percursos principais e os plátanos, cujas raízes davam cabo dos azulejos do canal, foram arrancados.

Por fazer está, todavia, muito daquilo que tinha sido prometido. Logo à entrada, percebe-se o falhanço daquela que era a mãe de todas as obras do jardim: a recuperação dos sistemas hidráulicos e de rega concebidos por Manuel da Maia no séc. XVIII. Mesmo nos lagos e fontes dos jardins superiores, contíguos à fachada traseira do palácio, os jogos de água não jogam, não jorram, limitam-se a correr, ou apenas a escorrer. Isto para já não dizer que nas instalações da Escola Portuguesa de Arte Equestre, nos limites da propriedade e depois de um investimento de 750 mil euros, a água morre nas condutas, e os cavalos são lavados a partir da rede da Câmara de Sintra.

Na verdade, grande parte dos caminhos está hoje barrada por redes de plástico verde, enquanto o "matagal", continua a reinar daí para lá. Passando o rio Jamor, e à excepção de um outro lago e respectivos conjuntos escultóricos, nada foi feito e os antigos e frondosos pomares de laranjeiras tornaram-se uma dor de alma morta de sede. Dolorosa é também a visão do celebrado canal dos azulejos, onde o Jamor se travestia em salão de festas aquáticas e coloridas nos verões reais de antigamente. Em vez da prometida recuperação, o que lá está é o que lá estava. Com a diferença de que no lugar dos azulejos caídos ou roubados foi posto reboco de cimento e, seguramente, foram feitos muitos e muito eruditos estudos sobre os mesmos.

(in Público)


11 comentários:

  1. Que tristeza!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Também andava desconfiada com este tão prometido "restauro", infelizmente é assim que as coisas se fazem por cá. Os jardins, ficam fechados alguns meses para justificar o abate de Árvores de grande porte cuja correcta manutenção pode ser complicada, plantam-se umas florzinhas e promovem-se inaugurações com pompa e circunstância.
    Mas quero lá ir antes de dizer algo mais.

    ResponderEliminar
  3. É triste mas é assim.

    Ainda há pouco tempo lá estive. O jardim formal continuava na mesma e o que se via para lá das redes aparentava manter-se no mesmo estado em que estava há anos. Entretanto terá sido aparado o buxo e lavada a cara à estatuária. Pouco mais. Quanto à tão apregoada recuperação dos sistemas de rega, ficará para mais tarde (?).

    ResponderEliminar
  4. A questão dos plátanos era complicada. As raízes estavam a destruir os azulejos do canal, muitos partiram-se e outros levaram sumiço.

    ResponderEliminar
  5. Até a descrição já dói.

    ResponderEliminar
  6. é por obras assim que gosto tanto deste país dos seus principais responsáveis!
    mas gosto da ironia do jornalista sempre com o dedo na ferida!

    apesar da tristeza, abraços e bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  7. Que desânimo! Vamos tentar ir lá um dia destes. E, com tempo, à Matinha oposta, que não temos notícia dela há muito tempo.

    ResponderEliminar
  8. Paulo,
    Obrigado, apesar de as minhas semanas não terem um fim igual ao das semanas das outras pessoas.
    Abraços. E bom fim de semana para quem o tem.

    ResponderEliminar
  9. PV,
    Na próxima quarta-feira já lá estarei. Como vou avisado, posso evitar fazer má figura.

    ResponderEliminar
  10. Por estas (e por outros) me arrepio quando "avisam" para obras de recuperação... Assim me ficará o sobressalto pela Estufa Fria. Isto que já sou pouco e cada vez menos, crente!
    Abç

    ResponderEliminar
  11. Depois da minha visita de ontem aos jardins de Queluz, nada tenho a acrescentar.

    ResponderEliminar