29.1.14

Brokeback Mountain #1

Teve ontem estreia mundial em Madrid, no Teatro Real, a ópera Brokeback Mountain, de Charles Wuorinen, com libreto de Annie Proulx, autora da novela que deu origem ao filme de Ang Lee. Daniel Okulitch e Tom Randle são Ennis del Mar e Jack Twist.

O Arte Live Web já pensou em quem não pode ir num instante ali a Madrid e vai transmitir em directo a récita de 7 de Fevereiro às nossas 19h00. A Medici.tv também. É pôr na agenda.

Os críticos que já lá estiveram não são unânimes: The Guardian, The New York Times, El País, El Mundo.

Eis algumas imagens emprestadas pelo Teatro Real.







6 comentários:

  1. Independentemente das críticas estou curioso e vou ver a transmissão no Arte...
    Parece que também há um musical nos EUA, verdade?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Do musical não sei, João.
      A ópera pode ser interessante, se bem que eu esteja de pé atrás em relação à música.

      Eliminar
  2. Eu queria (e tento!!) gostar das óperas que estreiam nos nossos dias mas a orquestração parece-me sempre tão homogénea, tão vazia... mais do mesmo! Sempre e os excertos aqui presentes não são excepção! Sei que parece o cliché do costume, mas tenho a certeza quase absoluta de que eu era capaz de fazer uma coisa do género, porque é o que costuma sair quando eu me sento ao piano sem saber tocar decentemente. Faz sentido na minha cabeça! Diz o encenador "ai, a minha obra, e eu faço e aconteço, e sou um intelectual, e o meu estilo, e sou um inovador"... tanta intelectualidade incompreendida... Desculpem se for a minha ignorância a falar -- no dia 7 vou tentar estar sintonizado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um problema, de facto. Veremos, mas também não me parece que a música condiga com a história.

      Eliminar
  3. E agora parto a loiça toda. Não estará a ópera como género musical e popular, como o foi no passado, irremediavelmente morta? É possível arrastar multidões para um drama posto em música onde já não há canções?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Põe o dedo na ferida, João Alves.

      Eliminar