3.3.12

O Plátano da Potsdamerstraße

Na Potsdamerstraße, precisamente entre a Filarmonia e a Staatsbibliothek (a biblioteca d'As Asas do Desejo), vive um monumento com cerca de 160 anos de idade. É um plátano que ali foi plantado por ocasião do casamento do príncipe Frederico Guilherme, mais tarde Frederico III, e que, pela sua unicidade e importância histórica, foi declarado monumento natural pelos serviços de protecção da natureza de Berlim.

Platanus x acerifolia



Na imagem de cima vemos a Neue Nationalgalerie, de Mies van der Rohe, ao centro. À esquerda, a Biblioteca, de Hans Scharoun, o arquitecto da Filarmonia. O plátano está junto ao autocarro amarelo, à direita. Um pouco mais à direita veríamos ainda os edifícios da Filarmonia, que aparecem agora em baixo. O mais pequeno, à esquerda, corresponde à sala de música de câmara (Kammermusiksaal).


13 comentários:

  1. Obrigado por partilhares a viagem e a cidade, assim: quase verde e musical!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um prazer. Mas verde, verde, estava pouco.

      Eliminar
  2. Berlim, a cidade mais interessante da Europa, actualmente...

    ResponderEliminar
  3. Estou a achar graça a este teu roteiro das árvores de Berlim. Mesmo sem verde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ver se arranjo mais alguma...

      Eliminar
  4. Obrigado por estes posts. Saudades de Berlin.

    ResponderEliminar
  5. Bosc d'Anjou6.3.12

    Estas reportagens até deram saudades a quem nunca lá esteve...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bosc, há que remediar essa falha rapidamente.

      Eliminar
    2. Bosc d'Anjou6.3.12

      I'm working on it... No sábado fui jantar ao Berlyn (http://berlynrestaurant.com) antes do espectáculo do Mark Morris na BAM...

      Eliminar
    3. E que tal o espectáculo?

      Eliminar
    4. Bosc dAnjou7.3.12

      Foi óptimo. Tratava-se da ópera "Four Saints in Three Acts" com música de Virgil Thomson e libreto de Gertrude Stein. Acho que como ópera deve ser um tanto aborrecida, pois não tem enredo discernível. O libreto é deste tipo: "Chorus I and II - Saint Teresa seated and not standing half and half of it and not half and half of it seated and not standing surrounded and not seated and not seated and not standing and not surrounded and not not surrounded and not not not seated not seated not seated not surrounded not seated and Saint Ignatius standing standing not seated Saint Teresa not standing not standing and Saint Ignatius not standing standing surrounded as if in once yesterday. In place of situations." O genial é fazer disto um suporte para um espectáculo de dança, o que foi o que o Mark Morris fez. Um ovo de Colombo, pois a música é muito rítmica - mais il fallait y penser. No elenco de Mark Morris, todos os bailarinos são formosos acima da média, portanto o visual está sempre garantido. Para cúmulo da felicidade, o cenário foi desenhado pela Maira Kalman, a minha ilustradora favorita. Este espectáculo tinha sido estreado em 2000 em Londres e de vez em quando aparece. Bem haja quem o programou. No Youtube há um ou dois videos de Four Saints, escandalosamente curtos. Creio que Mark Morris seja pouco conhecido em Portugal, único espectáculo em tempos mais felizes (1998), só os velhotes se lembrarão. E nunca se produziu em Berlim, nhãnhãnhã [lingua de fora].

      Eliminar
    5. Fui procurar esses dois bocadinhos e gostei. Também recordo que houve uma aparição de Mark Morris em Lisboa mas eu não pude ir.
      Há alguns anos o TNSC apresentou os Quatro Santos... Não me apeteceu. O excerto do libreto que aqui deixou é muito sugestivo.

      Eliminar