7.12.13

La Traviata no Scala

Diana Damrau e Piotr Beczala durante um ensaio (© Corriere della Sera)

Hoje, como sempre a 7 de Dezembro, é dia de inauguração da nova temporada do Teatro alla Scala e a ópera escolhida para o efeito foi "La Traviata", nem menos. Diana Damrau e Piotr Beczala serão Violetta e Alfredo. Mara Zampieri também lá estará, como Annina. O maestro será Daniele Gatti e a encenação é de Dmitri Tcherniakov. Comemora-se ainda o bicentenário de Verdi e celebra-se Santo Ambrósio. Que ele nos valha.

A transmissão, em diferido, começa pelas 19h49!

(Adenda: Fica disponível, para quem não viu, durante vinte e oito dias.)

27 comentários:

  1. Obrigado, Paulo, vou tentar. Pelo menos pela Diana Damrau.
    Bom serão.

    ResponderEliminar
  2. Santo Ambrósio não está a ajudar. Vamos vendo Toscanini.

    ResponderEliminar
  3. J. Ildefonso.7.12.13

    Estou no trabalho. Mas se os aviões deixarem...
    Obrigado Paulo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Problemas técnicos. O Arte está a transmitir gravações históricas.

      Eliminar
    2. É só no Arte HD, Paulo. O meu estava a transmitir ok mas... sem som ! Parte cénica muito muito feia...

      Eliminar
    3. No Arte HD não sei. No Arte normal e no arte.live.web começou ao mesmo tempo, mas depois da hora prevista. Com som. A encenação está ali a estragar, sim.

      Eliminar
    4. Bem, lá fui vendo. Desiludi-me com a Damrau. Já não é a da Raínha da Noite.

      Eliminar
  4. J. Ildefonso.7.12.13

    É tudo tão feio. A pobre Zampieri está sinistra. Não percebo se gosto da Damrau ou não. Há lá voz mas o timbre é tão feio. Defintivamente gosto do Beczala. O cd de arias eslavas é belissimo.

    ResponderEliminar
  5. Também vi e gostei das interpretações dos solistas, sobretudo da Damrau. E foi muito agradável rever, ao fim de muitos anos, a Mara Zampieri, apesar de num papel secundário. A encenação foi deplorável e sempre a piorar com o decorrer da ópera.

    ResponderEliminar
  6. Também vi. Achei a encenação deprimente e subscrevo aquela vaia enorme. O figurinista também não ajudou. Quem pode ser Violetta com aquelas cabeleiras?
    Pobres cantores que tiveram de servir aquele Konzept.

    ResponderEliminar
  7. Vaia enorme para a encenação, vaia grande para a direcção de orquestra, merecidas; o aplauso delirante para a Damrau é que não entendo. Voz completamente estragada.

    ResponderEliminar
  8. Daniele Gatti, que dirigiu tão bem "Parsifal" no Met, andou às voltas com a "Traviata" e acabou por não acertar.

    A encenação é uma coisa mal acabada e um óptimo exemplo de como se pode prejudicar a música e os cantores. Aquele vai-e-vem coreografado no II acto, além de desconcentrar, perturba a linha de canto. Tanto Damrau como Beczala se ressentem disso. Por outro lado, o fraseado e a intenção, seguindo à risca (suponho) as indicações de Tcherniakov, transformam Violetta e Alfredo em pessoas bastante vulgares (no sentido de ordinárias, mesmo).

    Beczala não esteve no seu melhor, mas daí a ser vaiado... não entendi. Como não entendi o delírio em torno de Damrau. Teve momentos muito bons, mas a voz não tem corpo que chegue (a julgar pelo que ouvi na televisão) para fazer dela uma Violetta extraordinária. No II acto, nas suas cenas com Germont e com Alfredo, não se passou nada. Talvez no Teatro a voz tenha outro impacto.

    ResponderEliminar
  9. A título particular, confesso que as concepções estéticas e dramáticas gizadas por Tcherniakov produzem um temor íntimo que me vai mantendo algo ao largo das produções a que se reportam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. O que o senhor faz não me interessa nada. Nem a nível estético nem a nível conceptual. Antes pelo contrário.

      Eliminar
  10. Links para ver agora? Alguém? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O arte.live.web há-de ter a "Traviata" disponível. É aguardar...

      Eliminar
    2. Já está disponível.

      Eliminar
  11. J. Ildefonso.9.12.13

    Do que consegui ver achei tudo muito feio. Um espetáculo completamente supérfluo porque não beneficia ninguém. Nem compositor, nem interpretes, nem instituição e muito menos o público. Vi em Paris um Macbeth do Tcherniakov que conseguia ser ainda mais feio e que colocava a Violeta Urmana a fazer truques de magia durante o brinde!
    Não percebi a contestação ao Beczala. Pareceu-me o mais consistente de todos em palco. Achei muito desinteressante a Violeta da Damrau. O timbre não é muito bonito e a interpretação é completamente pedestre. Verdade seja dita que não foi minimamente ajudada pelo encenador ou pelo guarda-roupa. O vestido azul eléctrico era horrendo e em nada lhe favorecia a figura. Gostava de vê-la ao vivo noutro papel mais congenial porque acho que é uma cantora sobre a qual não tenho opinião completamente formada.
    Também o barítono não entusiasma nada. Não há um fraseio, uma ideia...
    Em suma uma noite digna dum teatro de 3ª categoria.

    ResponderEliminar
  12. J. Ildefonso.9.12.13

    Lembro-me que foi incomparavelmente melhor a Traviata do Muti com a Fabbricini, o Alagna e o Coni em meados dos anos 90.

    ResponderEliminar
  13. Bos Festas a todos.
    Nunca gostei da Damrau e acho o Beczala um tenor de excepção.
    23.12.2013

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Raul. Boas Festas.

      Eliminar
  14. Paulo,
    Tenho de "retratar-me", pois o meu comentário foi feito antes de visualisar esta Traviata. Não vejo por que a direcção orquestral foi assobiada e quando foi. Quanto à encenação, posso compreender, embora já tenha visto muito pior (Netbreko/Salzburgo e a Ciofi/Scala) e confesso que certo jogo mímico, principalmente no primeiro acto, achei muito interessante. A presença da Zampieri não é nada decadente, como afirma o amigo Indefonso. Então a idade não perdoa e ela se está gordinha até lhe fica bem no contexto o ar de dona de "saloon". Quanto ao Beczala, apenas confirma o meu comentário anterior; o barítono levou a técnica do "lied"para o Germont; a Damrau foi a surpresa total e estou absolutamente do lado do público do Scala. Para além de uma leitura do texto, particular, bem entendido, mas coerente, a voz "encheu-se" para o papel e foi uam mágnifica "Violeta". O Scala pode apupar injustamente, mas de ópera italiana percebe.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em certos momentos (ex: Germont: Un padre ed una suora), Gatti escolheu uns tempos estranhos, na minha opinião. Contudo, parece-me injustificada a pateada.
      O "jogo mímico" foi das coisas que mais me enervaram na encenação.

      Reparou na entrada atrasada de Violetta com o Barão na festa de Flora? Andaram ali todos um bocado atrapalhados, Gatti foi segurando as pontas com a orquestra.

      Eliminar