12.6.08

Sermão de Santo António aos Peixes

"Des Antonius von Padua Fischpredigt"
Thomas Hampson (barítono) e Wolfram Rieger (piano)

(jeffro887)

(Ouça aqui a interpretação de Elisabeth Schwarzkopf)

Antonius zur Predigt
Die Kirche find't ledig.
Er geht zu den Flüssen
und predigt den Fischen!
Sie schlag'n mit den Schwänzen,
Im Sonnenschein glänzen.

Die Karpfen mit Rogen
Sind all' hierher zogen,
Hab'n d'Mäuler aufrissen,
Sich Zuhör'ns beflissen.
Kein Predigt niemalen
Den Fischen so g'fallen!

Spitzgoschete Hechte,
Die immerzu fechten,
Sind eilends herschwommen,
Zu hören den Frommen!

Auch jene Phantasten,
Die immerzu fasten:
Die Stockfisch' ich meine,
Zur Predigt erscheinen.
Kein Predigt niemalen
Den Stockfisch' so g'fallen!

Gut Aale und Hausen,
Die vornehme schmausen,
Die selbst sich bequemen,
Die Predigt vernehmen!

Auch Krebse, Schildkroten,
Sonst langsame Boten,
Steigen eilig vom Grund,
Zu hören diesen Mund.
Kein Predigt niemalen
den Krebsen so g'fallen.

Fisch' große, Fisch' kleine,
Vornehm und gemeine,
Erheben die Köpfe
Wie verständ'ge Geschöpfe,
Auf Gottes Begehren
Die Predigt anhören.

Die Predigt geendet,
Ein jeder sich wendet,
Die Hechte bleiben Diebe,
Die Aale viel lieben.
Die Predigt hat g'fallen.
Sie bleiben wie allen.

Die Krebs' geh'n zurücke,
Die Stockfisch' bleib'n dicke,
Die Karpfen viel fressen,
die Predigt vergessen!
Die Predigt hat g'fallen.
Sie bleiben wie allen.


António, para o sermão,
Encontra a igreja vazia.
Vai para o rio
E prega aos peixes!
Todos dão à cauda,
Brilhando ao Sol.

As carpas, em cardume,
Vieram todas à uma.
Estão de boca aberta
A escutar com atenção.
Nunca um sermão
Agradou tanto aos peixes!

Os lúcios, de boca em bico,
Sempre a guerrear,
Nadaram velozes
Para ouvir o Santo!

Mesmo criaturas fantásticas,
Sempre de dieta,
Quero dizer, os bacalhaus,
Apareceram ao sermão.
Nunca um sermão
Agradou tanto aos bacalhaus!

Belas enguias e esturjões,
Que vão às festas finas,
Acomodam-se
Para ouvir o sermão.

Também caranguejos e tartarugas,
Lentos, de costume,
Sobem depressa do fundo
Para ouvir esta boca.
Nunca um sermão
Agradou tanto aos caranguejos!

Peixes grandes, peixes pequenos,
Nobres ou vulgares,
Erguem a cabeça
Como seres inteligentes,
Por vontade de Deus,
Para ouvir o sermão.

O sermão terminou,
Cada um vai à sua vida.
Os lúcios continuam ladrões,
As enguias fazem amor.
O sermão agradou,
Continuam como eram!

Os caranguejos recuam,
Os bacalhaus continuam gordos,
As carpas alarvam,
O sermão está esquecido.
O sermão agradou,
Continuam como eram!

9 comentários:

  1. Mais uma vez, um momento de aprendizagem por ti proporcionado. O sermão de Vieira é dos meus textos intemporais favoritos. Obrigado!

    ResponderEliminar
  2. Não sabia que o sermão era conhecido além-fronteiras a ponto de ter sido composta uma peça sobre ele. Mas esta pretensão de ser 'nosso' vai-se logo quando ouvimos 'António de Pádua'...
    Parece que só em Portugal é que ele é de Lisboa :)

    ResponderEliminar
  3. O milagre de Santo António pregando aos peixes é, de facto, célebre além-fronteiras. Já o sermão em que o Padre António Vieira prega sobre Santo António e os peixes não o será tanto. Este poema satírico, de raiz popular, faz parte de uma colectânea dos inícios do séc. XIX e o seu autor(?) provavelmente desconhecia António Vieira. (Já tinha entrado aqui.)

    O facto de António ser conhecido como "de Pádua" e não "de Lisboa" deve-se ao facto de a igreja dar aos santos, como apelido, o nome do sítio onde viveram, praticaram milagres e morreram ou foram sepultados, sendo-lhe pouco relevante o local de nascimento.

    ResponderEliminar
  4. Pois, grande confusão que eu estava a fazer rs rs (nós, pelos vistos) Confundir o Santo António com o padre António Vieira é grave!

    Esclarecendo a confusão: eu só conheço excertos do famoso sermão e no momento em que li o teu post fez-se um curto-circuito que misturou dois Antónios. Parece que mais grave ainda é não conhecer o milagre do santo, que pelos vistos é o que é internacionalmente conhecido. Para dizer a verdade sobre o Santo António só retive que se fazem marchas em sua honra em Lisboa, apesar de toda a gente o conhecer como sendo de Pádua.

    E agora espero que esta ignorância toda não me leve a excomunhão, principalmente do teu blog! ;)

    ResponderEliminar
  5. Jardineira, penso que nem o Tribunal do Santo Ofício te excomungaria por uma confusão tão facilmente explicável.

    E, pela minha parte, podes ficar tranquila. Eu era lá capaz de te excomungar?!

    ResponderEliminar
  6. A todos/cada um
    cabe explicar o feitiço.
    Pequenas coisas: flores perto, respeito pela natureza e os ciclos da vida, palavras esclarecedoras, música e cultura.
    Sempre te passo - vinda de D com A - aprendendo. A piada é que aqui há uns meses, fiz um post com um azulejo de peixinhos de boca aberta e o padre AV a falar-lhes!
    Grata ainda por não me esqueceres o lugar.
    Bjinho

    ResponderEliminar
  7. Mais um notável momento musical com um texto não menos notável de Santo António (deixo a problemática Lisboa/Pádua para os entendidos...)
    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Bettips, lembro-me muito bem desses teus peixinhos da Sé de Lisboa.

    Pinguim, é uma problemática que não nos resolve nada. Deixemo-lo estar como está.

    Abraços.

    ResponderEliminar